Uncategorized

Os racistas até que têm alguma razão

Concordo com o movimento racista que tirou a atriz Fabiana Cozza do papel de Dona Ivone Lara: Fabiana não é negra.

Assim como eu não sou (talvez nem Dona Ivone fosse): somos mestiços, pardos, mulatos, marrons-bombons, morenos-jambos – num dregradê da paleta de marrons Pantone.

Os racistas do movimento negro brasileiro, aliás, são quase todos mulatos também.

Homens (e mulheres) vira-latas que sonham em ser gente de ‘pedigree’.

Batem no peito, vociferam “Mulatos não! Negros!”: cheios de ancestrais portugueses na árvore genealógica. É simbólico que entre os adereços mais típicos dos ativistas do movimento racista negro estejam o turbante colorido e o par de tênis ADIDAS Originals: a cabeça na África negra com um pezinho na Europa loira de olhos azuis.

No mais, fico triste de que ela tenha se dado por vencida.

Plantar medo e vergonha em quem não fez nada de errado e não devia ter nada a temer é a única estratégia que esse pessoal do movimento racista negro [ e dos ativistas LGBT e feministas ] tem.

Está funcionando cada vez menos, mas vemos – através deste episódio – que ainda funciona.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s