Uncategorized

Todo dia uma mentira do GRUPO GAY DA BAHIA [REPOSTAGEM COM TRECHOS CENSURADOS]

Iniciei algumas semanas atrás uma série em que prometia trazer um caso diário retirado das listas de “mortes motivadas por homofobia” produzidas e divulgadas pelo GRUPO GAY DA BAHIA e instituições semelhantes.

A ideia era falar de um caso por dia até o final de 2018, mostrando que – apesar de terem sido classificadas por ativistas como tendo sido casos de “mortes motivadas por ódio aos homossexuais” – esta classificação não corresponde à verdade, sendo, portanto, mentirosa.

Acontece que – ofendidas pelas críticas que vinham recebendo contra seus métodos e conclusões – algumas pesquisadoras empenhadas em listar casos de mortes, na opinião delas, motivadas por ódio contra homossexuais, entraram na justiça contra mim e conseguiram (através de decisão liminar) impedir que eu mencione a pesquisa delas ou os seus nomes aqui na página.

Sendo assim, fui obrigado a apagar as postagens anteriores e interromper a série diária de análise de casos retirados destas pesquisas, para não descumprir a decisão liminar.

Feito isto, trago de volta neste post todos os casos listados anteriormente (exceto os referentes à pesquisa cujas autoras estão me processando).

Volto a partir de amanhã a falar dos novos casos.

#1 MANOEL FRANCISCO DE SOUZA

A morte de Manoel Francisco de Souza está listada como um dos 445 crimes homofóbicos de 2017 listados pelo GRUPO GAY DA BAHIA.

A menção ao jovem senhor de 35 anos aparece na página 21 do relatório de crimes homofóbicos produzido pelo antropólogo Luiz Mott e sua ONG, mas será honesta esta classificação? Será mesmo que Manoel Francisco foi assassinado por preconceito contra os gays?

Na verdade, Manoel sequer era gay.

Gay era seu assassino: seu próprio filho, que o matou a golpes de facas pelo fato de Manoel ter tentado impedi-lo de matar alguns desafetos com os quais havia arrumado uma briga na rua.

Um heterossexual! Um heterossexual assassinado por um homossexual: nem por isso Luiz Mott e sua trupe se fizeram de rogados em usar esta morte para inflar um pouco mais a lista de pessoas mortas apenas por serem homossexuais no Brasil em 2017.

REFERÊNCIAS

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf

https://g1.globo.com/mato-grosso/noticia/pai-e-assassinado-pelo-filho-ao-tentar-impedi-lo-de-cometer-crime-em-mt-diz-pm.ghtml

#2 ANA CLECIA

Pouco se sabe sobre o assassinato de Ana Clecia, na capital da Paraíba, em 2012: ela estava bebendo com amigos no bar do Toquinho quando vieram alguns homens armados e a atingiram com 5 tiros.

Sabe-se também que ela era traficante de drogas e já havia estado presa por este crime. Sabe-se também que – segundo o GRUPO GAY DA BAHIA – ela foi uma das 111 pessoas mortas pelo fato de ela ser homossexual no primeiro semestre de 2012

REFERÊNCIAS

http://www.paraiba.com.br/2012/04/04/59727-mulher-e-executada-a-tiros-dentro-de-bar-no-conjunto-jose-americo-em-joao-pessoa

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2012/04/tabela-geral-de-assassinatos-2012.pdf

#3 JOAQUIM RODRIGUES DA CUNHA

Paloma – cujo nome de batismo era Joaquim Rodrigues da Cunha – estava fumando crack em um matagal na beira da avenida Perimetral, na capital cearense. Eis que durante o uso da poderosa droga ele sofreu um surto psicótico, em função do alto estado de entorpecimento mental produzido pela substância: avançou contra a via e acabou sendo atingido por veículos, que não conseguiram desviar do rapaz.

Segundo o GRUPO GAY DA BAHIA, trata-se de um 266 assassinatos motivados por preconceito contra homossexuais no ano de 2011.

A BBC tratou, então, de produzir uma #FakeNews intitulada “Governo recebe 3,4 denúncias de homofobia por dia”.

No texto, a mídia estatal britânica endossava a (des)informação do GRUPO GAY DA BAHIA, vide trecho a seguir:

Segundo o levantamento, em 2011 ocorreram 266 homicídios – um recorde desde o início dos levantamentos na década de 1970. De acordo com o GGB, foi o sexto ano consecutivo em que houve aumento desse tipo de crime.

“A relação é que a cada um dia e meio ocorre uma morte. O Brasil é um país relativamente perigoso para homossexuais”, disse o presidente do GGB, Marcelo Cerqueira.

“Não temos muito o que comemorar neste 17 de maio. Além da questão da violência, ações como o kit de combate à homofobia e a campanha de combate à Aids no Carnaval (com foco na comunidade LGBT) foram vetadas pelo governo”, disse ele.

É assim que a mentira descarada de que no Brasil morrem centenas de pessoas por serem homossexuais segue adiante.

Organismos como [CENSURADO], GRUPO GAY DA BAHIA, REDE TRANS E ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS produzem os dados falsos. A grande imprensa reverbera  acriticamente, através de #FakeNews alarmistas baseadas nas estatísticas manipuladas produzidas por estes grupos.

REFERÊNCIAS

http://tribunadoceara.uol.com.br/noticias/video/travesti-atropelado-e-morto-na-perimetral/

http://www.ggb.org.br/Asaassinatos%20de%20homossexuais%20Brasil%202011%20GGB.xls

https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/05/120517_homofobia_lk

#4 PAOLA BRACHO

A Justiça do Mato Grosso do Sul condenou 5 travestis pelo assassinato do também travesti Paola Bracho, ocorrido em 22 de março de 2017.

Paola foi assassinado com 24 golpes de arma branca. O motivo do crime foi uma disputa por domínio de ponto de prostituição entre os homossexuais.

O GRUPO GAY DA BAHIA, contudo, classificou o assassinato do travesti como tendo sido um crime de preconceito contra LGBTs. É por isso que o nome de Paola aparece na página 19 da edição de 2017 do relatório anual de “crimes LGBTfóbicos” produzidos por esta ONG.

Sim: quando cinco travestis matam a facadas um outro travesti isto também vai pra lista de mortes motivadas por preconceito contra travestis.

Foi com base neste estudo “estudo” que O GLOBO publicou a seguinte notícia falsa:
https://m.oglobo.globo.com/sociedade/assassinatos-de-lgbt-crescem-30-entre-2016-2017-segundo-relatorio-22295785

REFERÊNCIAS

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf

https://www.campograndenews.com.br/cidades/interior/justica-absolve-uma-e-condena-cinco-travestis-por-morte-de-colega

#5 JANAÍNA DA SILVA DE SOUZA

Fernanda Cristina Carvalho namorava com Janaina da Silva de Souza e descobriu que a companheira estava grávida. A gestação era uma prova inequívoca de que Janaína tinha relações com algum homem, uma traição amorosa.

Num acesso de fúria, às vistas de várias testemunhas, Fernanda partiu para cima de Janaína com uma faca afiada e a golpeou de morte.

Esta é uma das mortes que o GRUPO GAY DA BAHIA usou em 2011 para construir a sua narrativa fraudulenta de que – naquele ano – morreram 266 pessoas por conta de preconceito contra homossexuais. Segundo o GRUPO GAY DA BAHIA, Janaína morreu vítima de homofobia.

O estudo da ONG baiana ajudou a endossar uma Fake News publicada, em 2012, pelo portal da Empresa Brasileira de Comunicação intitulada “A cada 33 horas um homossexual é assassinado no país”.

Todo dia até a virada de 2018 para 2019 eu vou falar de uma morte que o GRUPO GAY DA BAHIA classificou desonestamente como sendo crime motivado por preconceito contra homossexuais para inflar suas estatísticas, espalhar alarmismos e sustentar sua luta por tratamento desigual baseado em sexualidade por parte do estado.

REFERÊNCIAS

http://www.reportermt.com.br/policia/lesbica-mata-parceira-a-facadas-apos-descobrir-gravidez/3520

http://www.ggb.org.br/Asaassinatos%20de%20homossexuais%20Brasil%202011%20GGB.xls

#6 THAIURE SILVA DE ARAÚJO

A morte da lésbica Thaiure Silva de Araújo foi classificada como sendo um caso de crime motivado por preconceito contra homossexuais pela [CENSURADO] e pelo GRUPO GAY DA BAHIA.

A verdade – como já é de se esperar pra qualquer um que conheça estas duas pesquisas –  é outra: a assassina de Thaiure também era homossexual, pelo que a motivação de “preconceito contra homossexuais” pode ser descartada em qualquer análise honesta.

Na verdade, Taise Fortunata dos Santos era a esposa de Thaiure: ambas eram usuárias contumases de drogas ilícitas,

A alegação dada por Taise para o cruel homicídio, a golpes de faca, é de que a vítima teria pego seu mega hair (nenhuma das matérias que li deixa claro se era o creme ou o aplique, creio que seja a segunda hipótese) e não teria devolvido. A assassina também disse ter “ouvido vozes em sua cabeça” dizendo “Mate ela! Mate ela!”.

Depois de obedecer as vozes, Taise escondeu o corpo de Thaiure num carrinho e saiu de casa em direção a um lixão, onde pretendia desovar a falecida esposa. Foi quando foi descoberta por populares e linchada. Terminou salva e presa em flagrante pela polícia.

Para [CENSURADO] e para Luiz Mott (ex-professor de Antropologia da UFBA): um caso de morte por homofobia para inflar as estatísticas produzidas por ambos.

REFERÊNCIAS

O nome de Thaiure ocupa a posição 263 da listagem de mortes motivadas por homofobia em 2015, publicada pelo GRUPO GAY DA BAHIA: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2016/01/listagem1.pdf

Matéria dando conta das reais circunstâncias do homicídio: http://g1.globo.com/bahia/noticia/2015/10/briga-por-megahair-motivou-morte-de-jovem-corpo-iria-para-lixao-diz-policia.html

[CENSURADO]

#7 FREDERICO LUCAS DOS SANTOS

A Justiça de Minas Gerais condenou 3 travestis pelo assassinato do também travesti Frederico Lucas dos Santos, que era conhecido como Marina Klum, ocorrido em 17 de julho de 2014.

Frederico foi assassinado a tiros. O motivo do crime foi uma disputa por domínio de ponto de prostituição entre os homossexuais.

O GRUPO GAY DA BAHIA, contudo, classificou o assassinato do travesti como tendo sido um crime de preconceito contra LGBTs. É por isso que o nome de Marina aparece na posição 187 da edição de 2014 do relatório anual de “crimes LGBTfóbicos” produzidos por esta ONG.

Sim: quando três travestis matam a tiros um outro travesti isto também vai pra lista de mortes motivadas por preconceito contra travestis.

Foi com base neste estudo “estudo” que O GLOBO publicou 30 de setembro de 2014 uma FakeNews que dizia: “No Brasil, homofobia matou ao menos 216 em 2014”

REFERÊNCIAS

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2015/01/tabela-geral-de-homocidios-2014.pdf

https://noticias.r7.com/minas-gerais/disputa-por-ponto-de-prostituicao-motivou-morte-de-travesti-na-grande-bh-28112014

#8 LARISSA GONÇALVES DE SOUZA

Não é incomum encontrar, nos registros de crimes motivados por homofobia do GRUPO GAY DA BAHIA, casos em que a vítima era heterossexual e os suspeitos ou autores do crime fossem homossexuais.

Este é o caso de Larissa: ela namorava  Lucas Gamero – que, sem o conhecimento dela,  também se relacionava com homens.

Foi morta de maneira imensamente cruel: amarrada, com os ossos do punho fraturadas, a golpes de barra de ferro destinada à prática de musculação aplicados contra a cabeça.

O mandante confesso e condenado do assassinato de Larissa foi o namorado de Lucas: José Roberto Freire. Também namorado de Lucas Gamero. José contratou a um outro LGBT, Valdeir Bispo dos Santos, um garoto de programa, para dar fim à vida da garota.

O mandante afirma que o namorado dele e da vítima teria sido cúmplice, tendo sido ele o responsável por conseguir o dinheiro cobrado pelo assassino: Lucas nega participação.

As hipóteses de motivação para o assassinato da moça são duas, não mutuamente excludentes (ou seja: podem ter acontecido ambas as motivações ao mesmo tempo):

1 – Freire tinha ciúmes da relação de Lucas com Larissa.
2 – Lucas tinha medo de que Larissa descobrisse sua vida dupla e denunciasse sua bissexualidade pra família e amigos.

No relatório de 2015 do GRUPO GAY DA BAHIA o nome de Larissa aparece na posição de número 257, como tendo sido uma vítima de crime de preconceito contra homossexuais.

O GRUPO GAY DA BAHIA precisa muito que o número de vítimas de homofobia no Brasil seja alto, só assim o ativismo se mantém de pé, sugando verbas públicas e pressionando à criação de leis discriminatórias (como a classificação do assassinato de homossexuais como sendo crime mais grave que os assassinatos comuns, uma das principais bandeiras da ONG criada por Luiz Mott e presidida pelo político baiano Marcelo Cerqueira).

REFERÊNCIAS

https://noticias.bol.uol.com.br/ultimas-noticias/brasil/2015/12/30/tres-sao-indiciados-pela-morte-de-universitaria-em-extrema-mg.htm

https://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/abalados-pais-deixam-audiencia-durante-juri-popular-de-reus-do-caso-larissa-em-mg.ghtml

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2016/01/listagem1.pdf

#9 ANA FLÁVIA LEITÃO

A história de Ana Flávia Leitão é complexa.

Ela era procurada pela Polícia do Rio de Janeiro por ter abandonado 5 (há pequenas contradições quanto a estes números, nos noticiários) filhos menores na Cidade Maravilhosa e desaparecido.

O noticiário informava que ela recebia uma polpuda (5 mil reais) contribuição por parte do pai dela para que ela sustentasse os filhos. Em vez disso, ela gastava o dinheiro na compra de entorpecentes e deixava os filhos pedindo esmolas, se prostituindo e vendendo balas nos sinais de trânsito cariocas.

Ao saber da condição calamitosa a que a filha submetia os netos, o avô das crianças teria deixado de conceder a ‘mesada’.

Irritada ela pegou alguns dos filhos e fugiu para Minas, deixando outros (suponho que os mais velhos, não há esta especificação: sei apenas que ela tinha um total de 8 filhos dos quais 5 ela abandonou na capital fluminense – inclusive uma menina de 12 anos, que já se prostituia. Sei também que uma das filhas – de 3 anos – estava com ela no momento de seu assassinato. É possível, pelas datas, que esta filha tenha inclusive nascido já em Minas Gerais. Quanto aos demais, não tenho informação.).

Continuemos. Ela foi morar em Minas Gerais e continuava procurada pela Polícia do Rio. Abrigou-se numa casa junto com diversas outras pessoas: usuários de drogas, profissionais do sexo.

Três deles atentaram contra a vida dela, que morreu a golpes de faca no pescoço: dois adultos e uma menor de idade. O casal de adultos era LGBT, assim como ela.

A motivação do crime tem duas versões:

1. Cobrança por conta de uma dívida contraída por ela na compra de uma motocicleta.

2. Interesse dos assassinos em sacar pensão que ela recebia do pai (nota: a notícia do Extra linkada abaixo dá conta de que o pai havia deixado de pagar pensão, já a notícia à época da morte dizia que ela ainda recebia. Atente-se ao hiato de quatro anos entre as matérias. O pagamento pode ter sido interrompido e depois retomado ou podem ser pensões de naturezas distintas)

Fato é: nada na complexa história dá conta de qualquer motivação homofóbica.

Ana Flávia era uma mulher drogada e criminosa, sem escrúpulos, envolvida com pessoas de caráter semelhante ao dela e que morreu em função das companhias que escolheu para dividir a vida.

Mas, obviamente, para [CENSURADO] e para o político Marcelo Cerqueira do GRUPO GAY DA BAHIA é mais lucrativo vender a narrativa de “morte motivada por preconceito contra homossexuais”.

Por este motivo é que ambas as instituições classificaram a morte de Ana Flávia como crime motivado por ódio contra homossexuais.

REFERÊNCIAS

1 Noticiário sobre abandono dos filhos e morte

https://noticias.r7.com/rio-de-janeiro/rj-record/videos/mae-abandona-cinco-criancas-em-anchieta-rj-20102015

http://www.midiamineira.com/2016/01/mulher-assassinada-em-cataguases-chegou.html

https://www.marcelolopes.jor.br/noticia/detalhe/18566/policia-civil-descobre-em-cambuquira-um-dos-suspeitos-de-matar-ana-flavia

https://extra.globo.com/noticias/rio/mulher-abandona-cinco-dos-oito-filhos-foge-para-minas-gerais-4975233.html

https://extra.globo.com/noticias/rio/mae-que-abandonou-filhos-na-casa-da-vizinha-sumiu-recebia-5-mil-para-cuidar-das-criancas-4993180.html

2 GRUPO GAY DA BAHIA

O GGB incluiu a morte de Ana Flavia na página 18 de seu Relatório 2017 de crimes LGBTfóbicos.

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf

[CENSURADO]

#10 DAYANA CARLA DE AZEVEDO

Dayana Carla era traficante condenada. Logo após sair do regime fechado, acabou morta.

Segundo Eduardo Michels, do GRUPO GAY DA BAHIA, e [CENSURADO], da [CENSURADO], o crime foi motivado por preconceito contra homossexuais.

REFERÊNCIAS

Sobre Dayana

http://mauriciocaico.blogspot.com/2016_02_04_archive.html

http://caiconarotadanoticia.com.br/mulher-e-vitima-de-tentativa-de-homicidio-em-caico/

GRUPO GAY DA BAHIA

‘Crime homofóbico’ de número 280 do Relatório 2016 da ONG

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/planilha-2016.pdf

[CENSURADO]

#11 CAMILA SEVERINA GOMES DE LIMA

[CENSURADO]

#12 VITÓRIA GRACIANO RAMOS

(…) [CENSURADO]

A definição acima é apresentada do famoso e controverso [CENSURADO], um estudo financiado pela CAPES  e pela FAPERJ  e conduzido por [CENSURADO].

Um dos casos de [CENSURADO], ou seja, de [CENSURADO] de que trata este documento foi a morte de Vitória Graciano Ramos.

Eu já havia falado desta morte aqui, mas nesta semana em que guerra do [CENSURADO] contra ‘os ataques’ que eu – supostamente – venho praticando para ‘coibir a defesa dos direitos básicos das pessoas heterodiscordantes’ eu decidi relembrar o caso nesta série que chega hoje ao seu 12º episódio.

Vitória não morreu a golpes de barra de ferro aplicados por um homem hétero conservador cristão simplesmente por estar andando de mãos dadas na rua com sua namorada, Vitória não morreu espancada por seus pais quando se assumiu como lésbica e falou que estava namorando uma mulher mais velha, Vitória não morreu assassinada a facadas por seu ex machista que não aceitava ter sido trocado por uma mulher.

Vitória morreu atropelada pelo próprio carro em que estava viajando. Ela estava chegando na propriedade da família, viajando no carro da própria mãe dela, numa trágica noite de véspera de natal: 24 para 25 de dezembro de 2017.

Abriu o portão e decidiu terminar a viagem sentada no capô do veículo. Não sei que tipo de veículo era. Não sei se Vitória já estava acostumada a isso ou foi estimulada por ter bebido alguma dose de álcool naquela noite festiva.

O fato é que aquela pequena aventura lhe foi fatal. Um acidente: motivado por imprudência, mas um acidente. Não há qualquer registro de que o familiar dela que estava na direção do veículo a odiasse pela sua existência lésbica.

Mas [CENSURADO] precisa que os números de [CENSURADO] sejam altos e alarmantes. Não se mobiliza o ativismo dizendo que apenas 2 casos de [CENSURADO] aconteceram nos últimos anos. A casa das centenas é melhor, mais chamativa.

É por isso que a filósofa doutora professora [CENSURADO] da [CENSURADO] classificou a morte de Vitória como um caso de – de acordo com sua definição – [CENSURADO]

Está serto, dona [CENSURADO], se eu conto isto em público eu estou perseguindo defensores de grupos LGBTI+, não é isso? Não é isso que está publicado na [CENSURADO]?

Tá serto, eu só sinto pena dos grupos LGBTI+, pelo tipo de defensores que possuem.

REFERÊNCIAS

[CENSURADO]

GRUPO GAY DA BAHIA

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2018/04/listagem-registros-2017.pdf

NOTÍCIA SOBRE A MORTE DE VITÓRIA

https://dhojeinterior.com.br/riolandia-jovem-escorrega-de-capo-de-veiculo-em-movimento-e-morre-atropelada/

[CENSURADO]

#13 #14 LUANA ARAGÃO | RAFAELLA SANTOS

Esta série podia mudar de nome pra ‘Todo dia uma mentira do GRUPO GAY DA BAHIA e da [CENSURADO], já que quase todos os casos que listei aparecem nos estudos sobre crimes motivados por preconceito contra homossexuais de ambas as instituições.

Luana Aragão e Rafaella Santos eram namoradas e foram mortas com diversos tiros, juntas.

Vinculadas ao Bonde dos 13, importante facção que rivaliza com o Comando Vermelho no estado do Acre, elas trabalhavam numa boca de fumo na cidade do Rio Branco quando traficantes do Comando Vermelho passaram atirando contra o estabelecimento de venda de drogas ilícitas e mataram 3 pessoas, deixando uma ferida em um ato típico de disputa por domínio no controle de venda de drogas por quadrilhas rivais.

Bom, esta é a explicação da polícia do Acre para as mortes do casal; porque na versão do GRUPO GAY DA BAHIA e na da [CENSURADO]

A [CENSURADO] e o GGB – todavia – não apresentam nenhuma justificativa para dizerem que a morte de Luana e Rafaella foram motivadas por preconceito contra lésbicas, exceto o fato de que ambas eram lésbicas.

REFERÊNCIAS

NOTÍCIA SOBRE A MORTE

https://www.ac24horas.com/2018/02/03/policia-diz-que-casa-onde-ocorreu-chacina-era-boca-de-fumo-e-que-jovens-mortos-eram-membros-do-b13/

GRUPO GAY DA BAHIA

https://homofobiamata.wordpress.com/2018/02/02/luana-aragao-tiros-ac-rio-branco/

https://homofobiamata.wordpress.com/2018/02/02/rafaella-santos-tiros-ac-rio-branco/

[CENSURADO]

#15 BRENDA ALBERLOCK

Brenda Alberlock era um travesti que passou semanas internado até vir a óbito, por conta de uma infecção generalizada. Ele era soropositivo para HIV, o que complicou o tratamento.

A origem da infecção estava em um transplante de silicone industrial que Brenda aplicou em si próprio. Silicone industrial não é adequado para implantes estéticos, além do mais nenhuma aplicação do tipo deve ser feita por leigos.

Se o GRUPO GAY DA BAHIA fosse mesmo uma ONG de defesa da população LGBT, possivelmente a ONG lançaria uma campanha de esclarecimento sobre os riscos de aplicação de substâncias indevidas ou mesmo de substâncias autorizadas, mas sem o devido controle profissional do procedimento: algo corriqueiro entre travestis e que costuma causar graves problemas de saúde e diversos óbitos.

Mas o GRUPO GAY DA BAHIA precisa mesmo é que os números de mortes motivadas por homofobia sejam altos, alarmantes: por isso a ONG fundada por Luiz Mott preferiu incluir Brenda, um LGBT vítima de sepse causada por aplicação indevida de silicone no próprio corpo, no relatório de “assassinatos de LGBT no Brasil” de 2016.

O relatório serviu de base para uma #FakeNews divulgada pela Agência Lupa, caso que eu comento aqui.

REFERÊNCIAS

https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/travesti-morre-depois-de-aplicacao-de-silicone-industrial-no-corpo/

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/planilha-2016.pdf

#16 BEATRIZ PRESLEY

Causas naturais, suicídio ou homicídio?

Não importa: o GRUPO GAY DA BAHIA põe na conta da homotransfobia e encerra o assunto: o importante é inflar os dados dos índices de violência anti-LGBT, senão como a ONG vai justificar a obtenção de recursos para combater a suposta onda de violência anti-LGBT?

Beatriz Presley era um travesti e foi encontrado já em estado de putrefação em sua própria cama: diante da ausência de sinais de violência, 3 hipóteses são possíveis.

Morte por causas naturais
Suicídio
Homicídio por envenenamento
Nenhuma evidência que suporte as últimas duas, além da mera possibilidade. Menos ainda de que – em tendo suicídio ou homicídio – as motivações tenham tido qualquer coisa a ver com preconceito contra homossexuais?

Então por que a morte de Beatriz foi parar no Relatório 2017 do GRUPO GAY DA BAHIA, que a ONG apresenta como sendo uma lista de mortes motivadas por homofóbia, se nada na história de sua morte aponta para esta versão?

Ora por que! Porque o Eduardo Michels quis assim e porque o Marcelo Cerqueira precisava muito dar subsídios para que O Globo divulgasse a #FakeNews intitulada “Assassinatos de LGBT crescem 30% entre 2016 e 2017, segundo relatório”

REFERÊNCIAS

https://jhnoticias.com.br/policia/suicidio-bia-presley-e-encontrada-morta-em-estado-de-putrefacao/

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf

#17 #18 ELICRIS MUNIZ DA SILVA | ROSELI DOMINGOS CORREIA

A lésbica Elicris Muniz da Silva foi morta a tiros em sua própria cama. Junto a ela morreu também a sua namorada: Roseli Domingos Correia.

Roseli era desconhecida da polícia até o dia da sua morte.

Já Elicris tinha passagens por tráfico de drogas, vias de fato, roubos, furtos e era conhecida usuária de drogas. Aliás: a residência onde as mulheres foram assassinadas, a polícia apurou, era conhecido pelas testemunhas como ponto de uso de entorpecentes.

Apesar disso, o relatório 2016 do GRUPO GAY DA BAHIA classifica os casos como exemplos de crimes motivados por preconceito contra pessoas LGBT.

REFERÊNCIAS

http://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2016/01/casal-de-mulheres-e-assassinado-tiros-dentro-de-casa-em-ibateguara.html

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/01/planilha-2016.pdf

http://www.alagoas24horas.com.br/944304/policia-confirma-arrombamento-e-crimes-praticados-por-vitima-de-duplo-homicidio/

#19 FABÍOLA DE OLIVEIRA MENEZES

[CENSURADO]

#20 KAMILLA THAÍSE QUEIROZ DE ALCÂNTARA

Kamilla Thaíse – mulher homossexual já conhecida da polícia pela prática do crime de tráfico de entorpecentes – foi morta por autores não identificados. Embora a motivação não tenha sido esclarecida pela polícia, e embora o sabido envolvimento da vítima com o crime organizado aponte outras possibilidades…

… [CENSURADO] e GRUPO GAY DA BAHIA classificaram a morte de Kamilla como crime de ódio contra homossexuais.

REFERÊNCIAS

http://noticias.ne10.uol.com.br/interior/policia/noticia/2015/03/27/mulher-e-assassinada-a-tiros-dentro-da-casa-de-amigo-em-caruaru-539098.php

#21 JOÃO SALINO GALEANO

Segundo a Polícia Militar, João era traficante e há indícios de que tenha morrido num acerto de conta com outros criminosos.

Para o GRUPO GAY DA BAHIA, a motivação é outra.

https://diariodegoias.com.br/cidades/18735-travesti-e-morto-a-tiros-em-catalao

#22 RENAN TUBERO MARTINS

Renan Tubero era homossexual e vinha saindo com o namorado de Cristiano Pintela, também homossexual. Ao descobrir a infidelidade cometida pelo amigo, Cristiano assassinou Renan.

Crime de preconceito contra homossexuais, diz a ONG fundada por Luiz Mott e presidida por Marcelo Cerqueira.

REFERÊNCIAS

https://www.sbt.com.br/jornalismo/sbtbrasil/noticias/71443/Briga-por-ciumes-termina-em-tragedia-na-capital-paulista.html

#23 WELLINGTON JOSÉ FERREIRA

Se Wellington foi assassinado, se suicidou ou morreu de causas naturais não ficou bem esclarecido. O fato é que ele foi encontrado morto em sua cama, a casa não tinha sinais de arrombamento e nem o corpo tinha sinais de violência.

Mas o GRUPO GAY DA BAHIA tem certeza de que foi crime homofóbico.

http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2015/09/23/policia-investiga-morte-de-homem-no-edificio-holiday-em-boa-viagem-200528.php

As seis mortes acima ajudaram a Catraca Livre divulgasse a peça de #FakeNews intitulada “318 LGBTs foram mortos em 2015 no Brasil e você também é responsável por isso”.

REFERÊNCIAS

Relatório de 2015 do GRUPO GAY DA BAHIA: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2016/01/listagem1.pdf

[CENSURADO]

#24 CARLOS ANDRÉ FLORÊNCIO PEREIRA

Não somente de acidentes de trânsito, disputas por ponto de prostituição, mortes de criminosos com várias passagens prévias pela polícia, crimes passionais e suicídios por coração partido se faz um relatório fraudulento de “crimes homofóbicos”.

Há também muitos casos de homicídio sem qualquer pista sobre a motivação.

Carlos foi morto a tiros no meio da rua: basicamente é tudo que se tem de informação sobre o crime. Terá sido crime passional? Vingança? Disputa por ponto de prostituição? Cobrança de dívida? Envolvimento com o tráfico?

Para o GRUPO GAY DA BAHIA nunca há dúvidas: é homofobia! Ponto.

REFERÊNCIAS

http://www.agrestenoticia.com/2015/10/homossexual-e-assassinado-tiros-em.html

#25 RENATO SOUZA DOS SANTOS

Renato gostava de ser chamado de Bruna.

Criminoso conhecido pela polícia, já anteriormente condenado, Renato também gostava de ameaçar travestis que se prostituiam na área “dele”. Certo dia os outros travestis – ameaçados de morte pelo criminoso – decidiram reagir, e num ato não criminoso, mataram Renato, dando justo fim à ameaça que sofriam no momento.

Esta foi a decição do Júri, apoiada tanto pela defesa quanto pelo próprio Ministério Público, que absolveu os quatro acusados.

Mas na opinião dos especialistas do GRUPO GAY DA BAHIA foi mesmo crime homofóbico. O que mais poderia ser?

REFERÊNCIAS

https://www.campograndenews.com.br/cidades/capital/juri-inocenta-travestis-que-mataram-colega-com-pedras-e-canivete

#26 VANESSA CRISTINA DE SOUZA FERREIRA

[CENSURADO]

#27 PAULA RAIANE GOMES DA SILVA

Criminosa reiterada, com diversas passagens pela polícia por diversos motivos (assalto, furto, drogas…), ela encontrou seu fim em circunstância não totalmente esclarecida: sabe-se que homens se aproximaram da criminosa lésbica, atiraram várias vezes contra ela e fugiram em um automóvel.

Na opinião do GRUPO GAY DA BAHIA e da [CENSURADO] foi um crime motivado por preconceito contra homossexuais.

O que sustenta a tese defendida por estas prestigiosas instituições? Ora: ela era homossexual.

REFERÊNCIAS

http://ipaumirim.com/noticias/policia/mulher-morta-em-juazeiro-ex-presidiaria-baleada-terca-feira-em-juazeiro-morreu-esta-manha-no-hospital

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2017/12/relatorio-2081.pdf

#28 GAIA BARBARA MOLINARI

O tipo mais comum de mentira do GRUPO GAY DA BAHIA diz respeito às mortes sem indícios reais de autoria e motivação.

A maioria das mortes de que trato nesta página [CENSURADO] são casos em que há fortes indícios ou mesmo provas cabais de que a morte NÃO FOI MOTIVADA por homofobia. São casos de mortes acidentais, de heterossexuais ou de criminosos mortos durante ato ilícito, por exemplo.

Mas na verdade a grande maioria das mortes listadas pelo GRUPO GAY DA BAHIA (e boa parte das listadas pela [CENSURADO], talvez perdendo para os suicídios, no caso desta) são mortes como a de Gaia.

Uma turista italiana encontrada morta durante viagem turística em Jericoacoara, no Ceará. O caso nunca foi elucidado pela polícia: nem autoria nem motivações. Mas para a [CENSURADO] só pode ter sido[CENSURADO] nos últimos anos.

[CENSURADO]

REFERÊNCIAS

https://www20.opovo.com.br/app/opovo/cotidiano/2016/12/23/noticiasjornalcotidiano,3676113/caso-gaia-completa-dois-anos-de-impunidade-e-de-espera-por-respostas.shtml

https://homofobiamata.files.wordpress.com/2013/02/relatorio-por-estado-20145.pdf

[CENSURADO]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s