NESTE TEXTO APRESENTO ALGUNS EXEMPLOS EXTRAÍDOS DAPÁGINA DO GRUPO GAY DA BAHIA NO TWITTER. SE VOCÊ QUISER SABER QUAIS SÃO OS OUTROS CASOS PODE PESQUISAR USANDO O LINK ACIMA COMO REFERÊNCIA (O GRUPO GAY DA BAHIA, POSTERIORMENTE À PUBLICAÇÃO DESTE POST, APAGOU SUA PÁGINA NO TWITTER: VOCÊ PODE CHECAR OS DADOS DO GRUPO GAY DA BAHIA SALVOS EM PDF OU EM CACHE NO SEGUINTE LINK: https://naomatouhoje.blog/2019/02/08/diga-cheeeeese-grupo-gay-da-bahia/ )

420 LGBT+ (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais) morreram no
Brasil em 2018 vítimas da homolesbotransfobia: 320 homicídios (76%) e 100 suicídios (24%). Uma pequena redução de 6% em relação a 2017, quando registraram-se 445 mortes, numero recorde nos 39 anos desde que o Grupo Gay da Bahia iniciou esse banco de dados.

Com estas palavras o GRUPO GAY DA BAHIA inicia a edição 2018 de seu estudo famoso e fraudulento sobre crimes homofóbicos no Brasil. A publicação já começou a ser disseminada acriticamente pelos principais veículos de comunicação.

FRAUDEI.png

O relatório traz algumas novidades, como a não publicação (pela primeira vez nos últimos anos) dos nomes das pessoas cujas mortes foram usadas pela ONG baiana para construir seus números alarmistas.

A mudança de método na divulgação dos resultados coincide com o primeiro aniversário da página Quem a homotransfobia não matou hoje? que – desde novembro de 2017 – vem demonstrando que organismos como GRUPO GAY DA BAHIA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS e REDE TRANS fraudam suas listagens de mortes motivadas por homofobia, homotransfobia, lesbofobia, LGBTfobia ou transfobia ao publicarem dados de pessoas realmente mortas por motivo de preconceito com pessoas mortas por motivos os mais diversos (inclusive causas naturais ou acidentais).

Até outubro o GRUPO GAY DA BAHIA vinha publicando seus dados, como fazia há alguns anos, em seus três sites: uma página no Facebook, uma página no Twitter e uma página no WordPress. Em outubro, contudo, a ONG informou em sua página do WordPress que havia fechado para balanço e deletou todas as informações sobre as mortes que vinham listando como se fossem casos de homofobia no Brasil no ano passado. Parece muito que pretendiam dificultar a checagem dos números.

Acabaram por cometer o mesmo deslize que pesquisadoras da UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO cometeram anteriormente: esqueceram de apagar os dados disponíveis no Twitter.

Desta maneira podemos conhecer uma parte dos casos que – em 2018 – o GRUPO GAY DA BAHIA listou como se fossem exemplos de mortes motivadas por intolerância contra pessoas homossexuais no Brasil.

Disponibilizo a seguir, alguns exemplos. Alguns dos exemplos citados, como se poderá ver pelos próprios prints da página do GGB abaixo, foram também listados na pesquisa conduzida pela professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Maria Clara Dias, sobre a qual falo um pouco no vídeo abaixo (e sobre a qual o professor da Universidade Federal de Ouro Preto, Claudio Henrique Ribeiro da Silva, discute no vídeo seguinte).


ALGUNS DOS CASOS USADOS PELO GGB EM 2018:

Traficantes mortas em chacina dentro de boca-de-fumo

LUANA.png

Como se observa no print, Luana e Rafaela foram apresentadas também no estudo LESBOCÍDIO, da UFRJ, como tendo sido vítimas de crime motivado por preconceito contra lésbicas. Não foram. A polícia do estado do Acre informou que o casal tinha envolvimento do crime organizado, estava numa casa que servia como ponto de venda de drogas e foi morto em função de disputa entre quadrilhas.

Referência: https://www.ac24horas.com/2018/02/03/policia-diz-que-casa-onde-ocorreu-chacina-era-boca-de-fumo-e-que-jovens-mortos-eram-membros-do-b13/

Vereadora assassinada em crime ainda não solucionado

MARIELLE.png

A morte da vereadora carioca ainda não foi solucionada, a polícia tem divulgado que a suspeita recai sobre milicianos incomodados com a intervenção da política em suas ações criminosas. Mas para o GRUPO GAY DA BAHIA, quando um homossexual ou bissexual morre o motivo é sempre homofobia. E Marielle mantinha um relacionamento homossexual, logo só pode ter sido morta por motivo de _ _ _ _ _ _ _ _ _ .

Referência: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2019/01/22/para-a-policia-prisao-na-operacao-do-mp-e-estrategica-para-investigacao-do-caso-marielle.ghtml

Suicídio por desilusão amorosa

juliana

Limite e vergonha na cara? Não, os responsáveis pelo GRUPO GAY DA BAHIA não têm.

Por isso a ONG usa até mortes por suicídio sabidamente motivadas por circunstâncias não relacionadas com homofobia para inflar seus dados de mortes por homofobia. Tratam mortes de LGBTs como matéria-prima para a produção e disseminação de histeria, apenas.

Juliana morreu porque não aguentava viver com a rejeição amorosa do homem que amava. O término do relacionamento entre os dois a deixou em depressão profunda. Acabou por tirar a própria vida. Depressão pós-término de relacionamento amoroso é algo recorrente a pessoas homossexuais ou não, eu mesmo já passei por algo semelhante após o fim do meu casamento.

Usar deste tipo de tragédia para disseminar ódio e alarmismo é a cara do GRUPO GAY DA BAHIA, eles não tiveram um pingo de vergonha em classificar Juliana como tendo sido vítima de morte motivada por ódio homotransfóbico, portanto.

Referência: https://drive.google.com/file/d/18xgUS6AoWJ-CKqZBjGNEcbdqmAAC0NmT/view?fbclid=IwAR3JZiOnhT0uhWELZQCmcgZzFCeW7GH33RIUedoWujB16QdQP0e5oGH_0Ig

Morte acidental

jessica.png

Outro travesti, Jessica tentou entrar em casa por uma pequena janela e acabou ficando preso pelo pescoço. Uma morte trágica, mas em circunstâncias acidentais. Nada que o GRUPO GAY DA BAHIA não possa usar para inflar sua fraude.

Referência: http://www.gaz.com.br/conteudos/policia/2018/06/13/122268-corpo_e_encontrado_preso_em_janela_em_venancio_aires.html.php

Sobrinho de criminoso é fuzilado em ambulância depois de ser baleado ao lado do tio

Thiago.png

O que o GRUPO GAY DA BAHIA não contou no resuminho sobre a morte de Tiago é que ele havia sido baleado minutos antes, pela polícia, enquanto acompanhava o seu tio no carro deste. Acontece que o tio era criminoso foragido, ao ser abordado pela polícia reagiu a tiros e morreu. Tiago foi atingido durante o confronto e acabou sendo abordado por outros criminosos enquanto era socorrido.

Uma história confusa e que realmente inspira questionamentos, mas não parece que homofobia seja a primeira hipótese, parece? Para o GRUPO GAY DA BAHIA parece.

Referência: https://g1.globo.com/ba/bahia/noticia/coreografo-executado-em-ambulancia-na-ba-foi-baleado-minutos-antes-em-acao-da-policia-que-tinha-tio-dele-como-alvo.ghtml

Homossexual morta pela companheira

adriana

LGBT assassinada cruelmente por outra LGBT. Este é um tipo muito comum de morte “motivada por preconceito e intolerância contra LGBTs” nas listagens publicadas por GRUPO GAY DA BAHIA, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO e instituições semelhantes.

Referência: http://atarde.uol.com.br/bahia/noticias/1961743-mulher-e-presa-suspeita-de-matar-namorada-com-golpes-de-canivete

Jovem em surto psicótico entra completamente nu em favela comandada pelo tráfico

MATHEUS.png

As circunstâncias da morte de Matheus são de conhecimento público nacional. Ele saiu em surto psicótico pelas ruas do subúrbio carioca, foi visto completamente nu transitando por alguns bairros e foi dado como desaparecido.

Alguns dias após, a polícia revelou que traficantes haviam capturado e assassinado o rapaz em um tribunal do crime devido a ele estar de “vacilação” (andando pelado, gritando, xingando…) na favela.

Se o ativismo LGBT do GRUPO GAY DA BAHIA classifica traficante lésbica morta por quadrilha rival e lésbica morta pela namorada como exemplos de crimes motivados por preconceito contra lésbicas, por que deixaria de incluir Matheus?

Referência: https://brasil.estadao.com.br/noticias/rio-de-janeiro,estudante-da-uerj-desaparecido-foi-executado-diz-irmao,70002297768

Criminosa com várias passagens pela polícia morta em circunstâncias não esclarecidas

camilinha.png

Camilinha Alves foi morta a tiros e o assaltante fugiu sem deixar pistas. Ela era lésbica, por isso o GRUPO GAY DA BAHIA não teve dúvidas em classificar a criminosa como mais uma vítima de homofobia. Talvez o Luiz Mott não tenha sido informado de que Camilinha era uma velha conhecida da polícia com passagens por tráfico de entorpecentes e crimes contra o patrimônio. Talvez por isso a ONG tenha classificado o crime como “homotransfóbico”.

Referência: http://www.macaubenselife.com.br/2018/05/em-vitoria-da-conquista-ba-manha-de.html

Travesti morto de overdose na Itália

Rafaella.png
Todos os anos o GRUPO GAY DA BAHIA inclui alguns casos de pessoas mortas fora do Brasil como se fossem exemplos de crimes homofóbicos ocorridos no Brasil. Em anos anteriores o GGB chegou a incluir venezuelano assassinado na Espanha, heterossexual morta em Portugal e travesti brasileiro morto de infarto em Londres.

Em 2018 foi a vez de Rafaella Rotocalco. Rafaella era um travesti brasileiro que vivia na Itália. Não há notícias nos veículos de comunicação sobre sua morte, mas um print do Facebook de um amigo revela: Rafaella morreu de overdose na Europa.

Para o GRUPO GAY DA BAHIA, caso de crime homotransfóbico no Brasil.

Referência: https://naomatouhoje.blog/2018/09/16/todo-dia-uma-mentira-do-grupo-gay-da-bahia-38/

Traficante morto em hotel

diego
Assim como Camilinha, da qual falei mais acima, Diego era traficante já conhecido da polícia. Duas passagens por tráfico. Mas quando ele apareceu morto em um quarto de hotel em Manaus, o Grupo Gay da Bahia só conseguiu imaginar que o motivo de sua morte tivesse sido a homotransfobia presente em nossa sociedade capitalista, machista e heteropatriarcal.

Capaz!

Referência: https://www.portalmarcossantos.com.br/2018/07/24/homem-e-executado-com-tiro-na-cabeca-dentro-de-hotel-no-centro/

Duelo a facas entre lésbica traficante e homem assaltante

benjamin
Bianca (mais conhecida como Benjamin) tinha passagem por tráfico de entorpecentes. Neymar tinha passagem por assalto.

Eram vizinhos e tinham uma rixa. Testemunhas contam que, ao passar por Neymar, Bianca ameaçou o desafeto de morte (ela o acusava de tê-la roubado anteriormente) e correu pra dentro de casa, se armando de uma peixeira.

Neymar também tinha uma faca nas mãos e iniciou-se um duelo. Bianca morreu assim que foi golpeada.

Segundo o Grupo Gay da Bahia, outro crime motivado por preconceito contra mulheres transexuais.

Referências:http://portalpedroguimaraes.com.br/vizinho-mata-mulher-com-duas-facadas-ao-ser-denunciado-por-roubo/ e https://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/homem-e-assassinado-a-facadas-por-vizinho-na-vila-palitolandia.ghtml

Morte devido a complicações por aplicação de silicone
adrielly

É relativamente comum que travestis tenham problemas devido a procedimentos estéticos invasivos feitos por “cirurgiões amadores” (muitas vezes outros travestis) em vez de por médicos dermatologistas ou cirurgiões plásticos. Em anos anteriores o GGB já classificou outros casos assim ( veja aqui ).

Se o Grupo Gay da Bahia realmente tivesse interesse no benefício da população LGBT, certamente conduziria uma campanha de orientação aos travestis sobre os riscos de se submeter a procedimentos estéticos invasivos ou químicos sem a devida supervisão profissional.

Mas o que o GGB quer é mortes para inflar os números de “crimes homofóbicos” no Brasil.

Em 2018 um dos casos que estão sendo divulgados pelo GGB como se fossem mortes motivadas por homofobia foi o do travesti Adrielly, que na verdade morreu ao fazer aplicação de silicone industrial.

Suicídio de um casal lésbico
roberta

Esta é uma história bastante triste, mas que mostra o quanto o GGB não tem escrúpulos em usar a tragédia de pessoas homossexuais na fabricação dos seus números falsos de mortes motivadas por preconceito.

Roberta e Nágela eram namoradas e sofriam ambas de depressão: um quadro clínico que atinge pessoas de todas as etnias, credos, classes sociais, sexos e (óbvio) sexualidade. Nágela não suportou a dor da doença e deu cabo da própria vida.

Com a morte de Nágela, as coisas ficaram obviamente mais difíceis para Roberta: além da depressão que já acompanhava, agora veio a dor imensa do luto pela mulher que amava. E Roberta também não suportou.

O Grupo Gay da Bahia viu na história uma oportunidade de inflar o número de mortes por homofobia, apenas.

Referência: https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/noticia/namoradas-achadas-mortas-em-sp-tinham-quadro-depressivo-diz-familia.ghtml

Outro traficante: desta vez um travesti

gabriella

Como se vê, é muito comum que mortes de pessoas envolvidas com o crime organizado sejam aproveitadas para fabricar os números fraudulentos de mortes motivadas por preconceito contra homossexuais.

É impossível que um homossexual envolvido com o crime organizado tenha de fato morrido por homofobia? A resposta é não!

Mas é desonesto atribuir a pecha de “morte por homofobia” como default a qualquer pessoa homossexual que tenha morrido, sobretudo quando os elementos da história apontam para a maior probabilidade de outra motivação.

Gabriella era um travesti traficante. Para o GGB ele morreu vitimado pelo ódio aos LGBTs.

Capaz!

Referência: https://www.acritica.com/channels/manaus/news/travesti-e-morta-com-cinco-tiros-no-bairro-vila-da-prata-em-manaus

17 comentários sobre “Grupo Gay da Bahia divulga versão 2018 de sua fraude anual

    1. Eita, mas veja se não é o ilustríssimo presidente do GRUPO GAY DA BAHIA em carne e osso!

      Como vai, Marcelo? Seja muito bem-vindo à página! Se quiser eu abro espaço pra que você explique por que diabos a sua ONG classifica assassinato de travesti venezuelano na Espanha ou morte de travesti brasileiro na Itália (por overdose) como se fossem casos de mortes motivadas por homofobia no Brasil.

      Está feito o convite! Tipo direito de resposta! Topa, rapaz?

      Curtido por 1 pessoa

      1. Agradeço ao convite! Mas não vou explicar isso porque você não tem boa vontade em entender tudo isso! Você não tem interesse em entender que a LGBTfobia causa doenças que dão tumores, que mais ainda, a LGBTfobia empurra todos nós para vivermos uma vida clandestina, muitas vezes expostos a violências, doenças, subordinação e vulnerabilidade. Você sabe porque as mulheres travestis colocam silicone? Não é só por adorno estético! Você não entendeu por maldade que travestis e transexuais são do gênero feminino. Eu não vou entrar nessa sua bola dividida, mas eu tenho muita curiosidade em saber porque você tem tanto ódio! Te dá algum tipo de tesão bater na gente que apanhamos cotidianamente?! Tenha boa semana.

        Curtir

      2. “mas eu tenho muita curiosidade em saber porque você tem tanto ódio! ”

        Não tenho! O nome desse tipo de inferência é “falácia do espantalho”. Você inferir que o motivo de eu insistir em apontar as mentiras deslavadas contidas nos documentos sobre “mortes homolesbotransfóbicas” que você e sua ONG produzem é ódio contra homossexuais só ajuda a explicitar sua desonestidade intelectual.

        “Te dá algum tipo de tesão bater na gente que apanhamos cotidianamente?! ”

        Eu não “bato” em vocês, Marcelo. Eu apenas exponho publicamente (e continuarei expondo) as mentiras deslavadas contadas pela ONG que você preside, como a de que um travesti venezuelano morto na Espanha ou a de que um travesti morto de overdose na Itália ou a de que um travesti morto de causas naturais em Londres foram algumas das vítimas de “crimes homolesbotransfóbicos” no Brasil nos últimos 5 anos. Por que sua ONG mente sobre estas questões, Marcelo? Vocês sentem algum tesão em não falar a verdade?

        “Você sabe porque as mulheres travestis colocam silicone? Não é só por adorno estético!”

        Em função da disforia de gênero que portam, Marcelo. Por que a sua ONG em vez de mentir dizendo que travestis mortos por complicações devido ao uso de silicone industrial foram vítimas de “mortes por motivação homotranslesbofóbica” não produz uma campanha de conscientização entre travestis sobre os riscos de utilizar produtos não adequados para fins estéticos ou de fazer procedimentos não supervisionados?

        “Você não tem interesse em entender que a LGBTfobia causa doenças que dão tumores, que mais ainda, a LGBTfobia empurra todos nós para vivermos uma vida clandestina, muitas vezes expostos a violências, doenças, subordinação e vulnerabilidade.”

        Palece uma metlalhadola de declives escolegadios, Malcelo.

        Curtido por 1 pessoa

      3. É ruim dessa turma querer explicar suas fraudes ideológicas! O negócio e inflar números sem um pingo de vergonha na cara e correr pro abraço da mídia cúmplice.
        O pior é que isso não apenas não ajuda em nada na solução os inúmeros problemas reais dos LGBT como muitas vezes os torna ainda piores.

        Curtido por 1 pessoa

  1. Porra, beleza o trabalho que Você tem feito. O dinheiro de manutenção do seu trabalho vem de onde? Deve ser uma grana preta (ou afrodescendente, pra não ser p.i.). Para uma pessoa se dedicar com tanto afinco a uma tarefa monumental e trabalhosa dessas, os intere$$e$ por trás têm que ser muito compen$adores. Será que vem dos cofres públicos ou do dízimo? Uma tarefa para os jornalistas descobrirem. Quem está financiando seu trabalho. Porque, por amor a Jesus, com certeza não é.

    Curtir

    1. “Porra, beleza o trabalho que você tem feito. ”

      Afe, que mal educado que sou. Nem agradeci o elogio 😐

      Obrigado, Tony! Seu reconhecimento é muito importante!

      OBS.: seu blog lá de carros – infelizmente – não está tão legal. Tem certeza de que você cursou jornalismo?

      Curtir

  2. Muito bom o seu trabalho, eu já imaginava que essas pesquisas eram uma fraude total mas agora com os dados isso fica muito mais evidente. Vamos ver se o novo governo terá culhão para espalhar a verdade agora.

    De mais, seu trabalho é ótimo, meus parabéns!

    Curtido por 2 pessoas

  3. Essa pagina tinha que ter a versão em ingles, porque são os jornalistas brasileiros que espalham essas fake news no exterior, a unica onte de finformação dos veiculos estrangeiros é a midia brasileira.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s