A Associação Nacional de Travestis e Transexuais é uma das 5 instituições ( junto com Universidade Federal do Rio de Janeiro, Grupo Gay da Bahia, Rede Trans e Transgender Europe ) que produzem listas baseadas em notícias sobre mortes de LGBTs no Brasil.

A ONG publica o Dossiê dos ASSASSINATOS e da violência contra pessoas TRANS há 3 anos. Durante estes 3 anos iniciais de publicação, a ANTRA sempre manteve uma lista pública dos casos, que permitia saber quais mortes estavam sendo consideradas e se as informações disponíveis suportavam a tese de que aquelas mortes foram motivadas por homofobia, se aquelas pessoas tinham de fato sido assassinadas et cetera.

Um dos casos que a ANTRA divulgou em sua lista de 2017 foi a morte do travesti Agatha Lios ( Wilson Julio Suzuki Júnior era seu nome de batismo ).

Agatha se prostituia em Brasília, e vivia em conflito com outros travestis, que exigiam que ele cometesse assaltos e pagasse pedágios aos “donos do ponto” para se prostituir ali. Agatha se negava: queria apenas se prostituir, e não se envolver com a quadrilha formada por outros transexuais. Por isso, acabou morto a facadas por 4 criminosos travestis, dentro de um supermercado, em frente às câmeras.

Os quatro travestis foram presos e um deles ainda debochou nas redes sociais antes de ser pego pela polícia: em poucos anos ele estaria na rua, já Agatha.

O caso entrou tanto no relatório do Grupo Gay da Bahia como no da ANTRA. Em 2018 o GGB e a ANTRA passaram a colaborar entre si: os casos obtidos pela ANTRA passaram a ser divulgados – com os devidos créditos – no site da ONG baiana.

36683968_1953012668323038_534303440679993344_n
Grupo Gay da Bahia passou a divulgar os casos listados pela ANTRA. Alguns deles careciam de qualquer informação sobre a morte.

QUEDA DOS NÚMEROS E MUDANÇA DE METODOLOGIA DE DIVULGAÇÃO

Em 2017 a ANTRA havia reunido 179 casos de assassinatos de travestis de ambos os sexos (homens feminilizados e mulheres masculinizadas) no Brasil. Em 2018 os números caíram para 163.

No começo de 2020 algumas páginas de ativismo LGBT soltaram a informação de que – de acordo com os dados da ONG – os números haviam caído bastante. Um destes sites foi o Guia Gay de São Paulo.

Ocorre que a ANTRA não gostou do destaque que vinha sendo dado – inclusive por bolsonaristas, mas também pela mídia LGBT – à acentuada queda de 163 para 123 casos coletados em 2019, primeiro ano de um governo que – de acordo com a propaganda de boa parte dos ativistas LGBTs – seria um período negro para a comunidade homossexual brasileira.

A ANTRA decidiu então apagar os dados de seu site, e chegaram a informar que nunca o haviam disponibilizado. O link onde era possível conferir os casos agora direciona para uma página de “permissão negada”, indicando que a página ainda existe, mas só pode ser acessada pelos próprios membros da ONG.

Seguiu os caminhos da Universidade Federal do Rio de Janeiro e do Grupo Gay da Bahia, que desde que passaram a ser alvo de denúncias de fraude epistemológica por esta página aqui e por outras – inclusive o Guia Gay de São Paulo – deixaram de publicar os dados que permitiam a revisão de suas alegações.

82552120_2445075368936481_1110786501043552256_oSem título

EXPLOSÃO DOS CASOS EM 2020

Desde que deixou de divulgar os nomes e links para notícias sobre as mortes que inclui em seu relatório, a ANTRA passou a divulgar que os dados deram uma guinada invertida: de uma clara tendência de queda, agora eles estariam aumentando assustadoramente.

Sem título
Página do Grupo Gay da Bahia revela que travestis mortos na Itália são inseridos em relatório de assassinatos homofóbicos no Brasil. Enquanto divulgavam os dados, a ANTRA não tinha esta prática em seu relatório.

Não há mais, contudo, nenhuma maneira de checar os novos números: quantas destas pessoas seriam travestis assassinados por outros travestis (como Agatha Lios)? Quantas destas pessoas seriam mortes sem esclarecimento (como Fernanda Caetano)? Será que a ANTRA passou a listar casos de travesti brasileiro morto de infarto em Londres (como o Grupo Gay da Bahia fez em 2013, com Patricia Reigada)? Será que passaram a contabilizar casos de travesti brasileiro morto por overdose em Roma (como o Grupo Gay da Bahia fez em 2018, com Rafaella Rotocalco)?

Nunca saberemos.

PEDIDOS, DELEÇÕES E BLOQUEIOS

Após compartilhamento do post em Quem? #lesbocídio, internautas passaram a ir à página da ONG solicitar que eles republiquem a lista com nomes e notícias sobre as mortes que estão usando para compor seus números, de modo que se possa checar se os números divulgados pela ONG são honestos.

Em resposta a ONG passou a deletar os comentários céticos em relação aos números e a bloquear os autores de tais comentários.

PARTE 6
O internauta Vitório D’Antona informa o comentário em que pedia pelos dados que suportassem os números divulgados foi deletado pela ANTRA poucos minutos depois dele fazer o pedido,

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s